Página inicial

Frank Marshall


Frank MarshallNascido a 13 de novembro de 1865, na cidade de Leavenworth, estado de Kansas, Frank Arthur Marshall demonstrou desde cedo seu interesse por escrever e estudar a simbologia de tudo que o cercava. Fez sua graduação em Jornalismo na Universidade de Kansas, na cidade de Lawrence.

Seu primeiro trabalho na profissão foi no Jornal Diário de “Leavenworth Times”, como repórter.

Logo o trabalho dele chamou a atenção dos diretores do maior jornal do estado, o “Kansas City Journal”, onde foi trabalhar. Lá exerceu as funções de repórter, revisor, redator, crítico de peças teatrais, música e arte, editor de notícias locais e por fim, editor responsável pelo editorial do jornal.

Na Maçonaria, Marshall era muito atuante. Foi fundador de várias Lojas Simbólicas, Corpos Subordinados ao Rito Escocês e ao Rito de York, e foi membro das organizações Eastern Star e Shrine. Era um membro enérgico, leal e sincero da Fraternidade, a quem era um prazer se conhecer. Ele foi ativo e recebeu todas honras oficiais do Rito York e Escocês e Corpos de Rito.

Em 16 de março de 1931 ele consegue realizar uma reunião do Supremo Conselho da Ordem DeMolay, em Washington D.C. onde os graves momentos porque atravessa a Organização foram discutidos buscando alternativas e novas sugestões. No dia 17 eles seriam recebidos pelo Presidente Herbert Hoower, que pelo seu alto espírito humanitário era um amigo entusiasta de Land e da Ordem DeMolay. Agora em Washington ele demonstrava seu reconhecimento pela benéfica influência que a Ordem DeMolay estava dando a juventude da nação americana. Herbert levantou-se de sua cadeira e cumprimentou a cada um pessoalmente, tendo recebido de Land o colar de Membro Honorário da Legião de Honra.

Nesta ocasião, Frank Marshall, o autor dos Rituais DeMolays, contrariando seus médicos, estava presente e ao aproximar-se do Presidente para cumprimentá-lo, levou as mãos ao peito e caiu ao chão. Levado ao hospital, constatou-se que nada podia ser feito, e no dia 24 de março de 1931 passou para o Oriente Eterno, com apenas 65 anos de idade.

A morte de Frank Marshall foi dolorosa para Land pois tinham trabalhado juntos durante os doze anos da Ordem DeMolay e tinham visto seus sonhos transformarem-se em realidade. Land dizia que: “sinto me perdido sem ele – como muitos outros deviam sentir o mesmo. Ele representava uma parte da minha vida, quase um pai para mim. Eu nunca o esquecerei, a Ordem DeMolay também jamais o esquecerá.”

A história seguinte do Ritual DeMolay nas próprias palavras de Marshall:

”Eu sou perguntado frequentemente: 'Como você fez para escrever o Ritual DeMolay?' Os fatos simples podem ser ditos brevemente. Eu escrevi isto porque o Irmão Frank S. Land me pediu que fizesse, e porque Deus Todo-Poderoso, quem eu tenho agradecido em meu coração mil vezes, me deu o impulso para responder a esta oportunidade que o pedido envolveu. Mas, atrás dos fatos simples, há outros que poderiam ser de interesse para os milhares de DeMolays para quem meu nome signifique algo menos que nada, e a Ordem e seu Ritual signifiquem tudo. Eu soube do Irmão Land quando ele era um membro sério e dedicado da Loja Ivanhoe N.º. 446 A.F. da Cidade de Kansas, e proprietário de um negócio profano. Eu conheci sua amizade quando fiz trabalho ritualísta em Ivanhoé, sendo cimentada pela nossa associação. Em seguida fui me familiarizando com o Irmão Land, ele deixou seu negócio privado para se tornar o Secretário do Rito Escocês. Nossas relações pessoais ficaram íntimas por associação na linha Oficial do Conselho DeMolay, Cavaleiro Kadosh e em outros Corpos do Rito Escocês do Vale da Cidade de Kansas.”

DeMolay, o Herói dele:

”Deixe-me dizer antecipadamente que muitos anos antes que me tornasse um Maçom, Jacques DeMolay era um de meus heróis. Quarenta anos atrás ou mais, eu escrevi um pequeno 'texto' no qual dei a DeMolay um lugar de destaque como um exemplo de lealdade para consciência. Então, quando me tornei um membro do Conselho DeMolay, DeMolay especialmente atraiu a minha imaginação. Como um membro ativo, enquanto Land liderava, eu, me tornado cada vez mais próximo, levado a DeMolay, talvez, preparando inconscientemente para o trabalho que estava por vir. Logo no verão de 1919, o Irmão Land me convidou para escrever um Ritual para o pequeno clube de meninos que ele fazia parte. Para ele o curso do trabalho com o qual frequentemente o levava a entrar em contato com as famílias dos membros, necessitava nitidamente de uma influência enaltecida. Ele explicou de um modo geral, como também em alguns detalhes, tudo que ele tinha em mente, impressionando em mim o instinto dramático e a natureza dos meninos que almejavam por um Ritual. Como tinha previamente dito, agradeci a Deus mil vezes por Land ter me honrado com o convite, mas especialmente que ele pôs isto em meu coração, fazendo-me sentir a necessidade de tentar conhecer isto para o melhor da minha habilidade. De certo modo, eu estava a favor da seleção lógica de tal tarefa, do ponto de vista de Land, porque eu era um dos alguns homens de jornal nos Corpos dos Ritos Escoceses, entretanto, o único escritor. Porém, condizente com a aptidão da situação, eu fui convidado, aceitei e escrevi um Ritual que nenhum de nós sempre sonhou seria um do pontos de reunião para umas centenas de exércitos de meninos americanos e rapazes em outras terras. Eu não tive nenhum filho, entretanto minha casa tinha sido santificada com duas queridas meninas. Eu tinha sonhado o sonho bonito de 'bebês em meu joelho', e este sonho maravilhoso foi formosamente percebido como os anos passando. Eu tenho dois netos que peço poder viver para vê-los DeMolays “.

Traçando o Ritual:

”Eu tive muitos doces momentos em minha vida, mas uma das maiores alegrias que já experimentei foi quando li meu primeiro desenho da Abertura e Encerramento e a Iniciação e Grau DeMolay para Land. Land se sentou à escrivaninha da secretaria no auditório do Templo do Rito Escocês à 15.ª Rua da Avenida de Troost, na Cidade de Kansas, e eu me sentei à sua frente. Eu quase pude ver a grande visão que iria se tornar uma realidade, e que se ia formando na mente de Land quando desdobrei o Ritual para ele até onde tinha progredido. O gênio notável dele para executivo detalhe, a habilidade de desenvolver o trabalho depois e os esplêndidos meninos que exemplificaram o Ritual, deu-me fôlego e respiração de vida, que fez meu testemunho do primeiro trabalho de Grau, outro dos marcos em minha vida. O Templo do Rito Escocês, na Cidade de Kansas, sempre será um santuário para mim. Foi aqui que fiz os votos do Rito; neste altar eu recebi um anel dos meninos do Capítulo Mãe, e do qual me tornei um apaixonado. Ao altar, eu vi pela primeira vez que esplêndidos jovens companheiros fazendo os votos de DeMolay e o Ritual foi desdobrado até certo ponto que era uma profecia do futuro, crescimento com o qual nenhum de nós realmente sonhou no princípio. Talvez minha maior tarefa era no princípio evitar a Filosofia Maçônica, para nós nos dias primeiros era o medo de copiar o Ritual Maçônico era muito real e havia uma oposição muito definida a qualquer coisa nisso sugestionado alguma conexão com a Maçonaria ou que o DeMolay aparece-se como uma preparação para futuros Maçons.”

A Coroa da Juventude:

” Eu confesso que durante semanas nada excelente veio a mim, até a pouca inspiração da Coroa da Juventude forneceu as chaves para o Grau de Iniciação. A partir daquele momento, o Ritual se escreveu virtualmente. O Leste como da manhã da vida; o Sul como a estação de meio dia e o Oeste com suas lições solenes seria bastante óbvio. Eu escrevi o Grau DeMolay de propósito em uma chave muito diferente da didática do Grau

Iniciático. Eu tentei fazer isto atrair o instinto dramático inerente em todos os meninos e fazer isto evitando qualquer monotonia quando comparei com o Grau Iniciático. De vez em quando o Irmão Land sugestionava mudanças verbais e colocacionais nas seções de fundação do Ritual. Ele me chamou depois para um serviço comemorativo que é meu favorito pessoal. Ele pediu uma Cerimônia de Instalação para começar Novos Capítulos e então pediu uma Cerimônia de Maioridade para licitar adeus para DeMolays que completaram a idade de 21 anos. Ainda depois, ele pediu uma Cerimônia Funerária, aparte do Comemorativo e último de tudo para a Legião de Grau de Honra. Para todas estas demandas, eu respondi com tudo que eu tive em mim, e como isto é, o Ritual DeMolay minha contribuição mais reverente é ao bem-estar da Comunidade, Estado e

Nação. Minha pequena casa modesta na Jefferson Street, 4506 e especialmente a sombra das árvores na jarda dianteira são lugares sagrados para mim porque em minha casa e debaixo dessas árvores, criou-se o Ritual DeMolay forjado na bigorna do meu coração e alma durante os meses do verão de 1919, quando achei tempo dos deveres diários da minha profissão. Originalmente, eu chamava as unidades 'Conselhos', em vez de 'Capítulos', mas como eu era um sócio de um Conselho DeMolay, era muito lógico chamar de oficiais principais do 'Conselho', simbolizando as funções aconselhadoras de liderança. Talvez se nós tivéssemos sonhado com as proporções futuras da Ordem DeMolay, eu teria sido intimidado à tarefa que empreendi. Porém, eu fiz o que pude. Tentei plantar uma semente que esperava poder crescer em uma árvore em baixo da qual alguns cem ou alguns mil meninos achariam a sombra útil de uma inspiração para uma vida melhor. Que cresceu em uma grande floresta de sombra é a grande alegria de minha vida e do Irmão Land e todos os outros que se associaram ao movimento mais tarde. Eu também agradeci Deus Todo-Poderoso mil vezes que ele trouxe para a ajuda de DeMolay por seus dias de começo, o grande cérebro, o grande coração e alma e a influência maravilhosa do recente ilustre Irmão Alexander G. Cochran de St. Louis, Soberano Principal Inspetor Geral do Rito Escocês para o Missouri e Grande Mestre da Ordem DeMolay. Cada vez que a indiferença pairava alta, por qualquer razão, teria significado tristeza para DeMolay, ele foi espantado pela visão do Irmão Land e a sua amável fórmula de elogio para meus próprios esforços esteve entre as recordações mais preciosas de minha associação com a Ordem. Como acontece a mim neste acaso e vagueando o pensamento, a anteceder a resposta à pergunta, 'Como você fez para escrever o Ritual DeMolay?' “

XXVII CEOD-PB
Faltam
para o XXVII CEOD-PB
Faça já sua inscrição
Topo